Sobre Porta dos Fundos e seus vídeos sobre “racismo”

O único debate sobre racismo que vejo em todos os vídeos que tentam abordar o tema no Porta dos Fundos é debate de branco com branco. É branco falando pra branco que gente preta é gente, como se precisasse de um branco para dizer se a luta contra o racismo é válida ou não, como se só quando um branco fala sobre o assunto que ele é escutado. A representação do negro no Porta dos Fundos é sempre a mesma. Tem um ator negro no porta dos fundos que só faz papel de preto apontado como bandido inocente(ainda que de crítica) ou “capitão do mato”, ou que só aparece em vídeos que falam sobre racismo, e claro, em segundo plano, o branco que é o protagonista sempre. Eles se acham desconstruidores, mas só mostram o negro “no lugarzinho dele”, e sem voz, claro, porque o negro não pode falar por ele, tem que ser do negro como coitadinho com um branco gentil falando por ele. Sem contar os videos transfóbicos que são mantidos porque tem “um grande número de visualização”. Gregorio Duvivier é só mais um esquerdista cis branco que acha fofo falar sobre minorias, mas não dar o lugar de fala delas, porque elas não podem falar por elas mesmas, tem que ser um cis branco gentil a fazer isso.
Pois é, tem um negro no porta, mas quando os vídeos são sobre racismo ele nunca protagoniza, é sempre um branco falando por ele. Engraçado, não? Pra mim o PDF é só um grupo de hipsters cis brancos que tentam fazer humor sagaz mostrando o quanto são legais por falar por minorias, mas só tentam mesmo.
Esse “humor” não tem absolutamente nada de transformador. Muito pelo contrário, é mais do mesmo. Para pessoas, como eu, pretas, que vivenciaram a triste realidade de ser o único preto dentro de uma escola de brancos ricos, sendo humilhado, hostilizado, objetificado, esse vídeo nada mais é do que um acionador de vários gatilhos da época humilhante pela qual passamos. E tenham a certeza que ele acaba sendo uma verdadeira abominação na mente dos pretos que passaram e passam por esse tipo de experiência. Um vídeo que transforma o preto em uma moeda de troca não deveria nem ser produzido, quanto mais exibido. Pergunto: algum preto foi chamado para avaliar esse roteiro?! Ou foi feito a partir do ponto de vista de pessoas brancas?! Como sempre, por acaso. Porque quem o fez tenta ser “parceiro de luta” na causa racial sem perceber que tudo que é narrado foi observado do ponto de vista de quem nós já conhecemos, ou seja, do ponto de vista dos brancos. Brancos normalmente tentam falar das nossas mazelas sob a ótica do colonizador, de quem possui a última palavra, a do evangelizador que acha que sabe como nos sentimos. Os pretos sempre são vistos como o objeto de análise, sempre são os estudados. E estudados por quem?! Por brancos. Então, antes de me dizerem que esse vídeo é um “baita de um apoio” para a causa preta, que cola no Movimento Negro, tentem pensar como uma pessoa preta e não como pessoas brancas dando uma de bwanas que estão ali estudando os macaquinhos da floresta africana.

Quer um debate sobre racismo no ponto de vista de quem sofre, não do colonizador/observador? Vejam negros falando sobre racismo através de enquetes de forma bem humorada

Pela página Negro Negus

“1 – Porta dos Fundos devia se olhar no espelho antes de querer falar sobre racismo> o único ator negro que tem ali só faz papel de escravo, ou de bandido, ou de policial terceirizado, ou plano de fundo.

Porque se vocês querem falar de negro ocupando os espaços, pelo menos tentem não soar hipócritas.

2 – Isso é praticamente um Gregório Duvivier 2.0> o Porchat, cisbranco, escreve um roteiro pra falar de algo que ele não vive, e que a comunidade negra vive falando, e é aplaudido.

Quando nós, povo negro, falamos dessa mesma coisa, de uma forma muito mais verdadeira, embasada, coerente e realista, sem fazer piada, nós somos um bando de vitimista.

3 – O deputado Jean Wyllys entrou na onda e tá hypando o vídeo > o deputado não vê problema nenhum em se posicionar contra mulheres negras que denunciaram racismo em um programa que ele, como bom freguês da globo que é, gostava.

Mas quando um branco fala de racismo, o deputado baba nas bolas.

4 – Não teve graça.

Mas obrigado, brancos, por mostrarem mais uma vez como racismo é uma coisinha bem perfeita: vocês criaram esse sistema e fizeram o combate a ele só ser válido se for feito por vocês mesmo.

Os oprimidos vitimistas que se fodam.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s