Menina bonita do laço de fita

Um coelho branco que ao ver uma menina preta, se apaixona pela sua cor de ébano e implora dicas de como fazer para ficar pretinho também. Daí o livro se volta completamente a conselhos da menina – uma criança que claramente não sabe a resposta, mas quer ajudar – e tentativas fracassadas do coelho as seguindo. Uma obra da jornalista carioca e branca Ana Machado.

Eu esperava tanto desse livro, creio que por isso foi uma das obras que mais me decepcionou. Não que a história seja chata, pelo contrário, é fofa, as imagens então são ainda mais, porém alguns detalhes me incomodaram bastante. No livro, eles utilizam “preta” normalmente para designar a raça negra, contudo, quando chega a mãe da menina, para descrevê-la eles utilizam a palavra “mulata”(palavra racista que vem de mula, um cruzamento entre duas espécies diferentes que geram um ser infértil, por ser inapropriado biologicamente, é quase dizer que negro com branco é zoofilia). Não que eu esteja dizendo que foi propósito da autora ofender, mas me pergunto, se ela falou o termo como se deve que é preta/negra, porque de repente surge essa “culpa” de “não quero te ofender, então você não é negro, é mulato, tem sangue de branquinho, fique alegre”? Outro ponto também: ficou claro que quando perguntava porque a menina era preta, se referia a sua cor escura, não a sua raça negra. Daí, para se “empretecer” o coelho seguiu os conselhos da menina que era comer coisas pretas, afundar na tinta preta, afins. Daí, quando a mãe da guria revela que para ser preto tem que ter ancestrais de cor preta,  o coelho encontra uma coelha de cor marrom e pensa “achei o ancestral dos meus filhos”. Em outras palavras, a coelha ancestral não era preta, era marrom, o que parecia então se referir à raça humana, não à cor. P-o-r q-u-e???? Não entendi essa escolha de tom depois de todas as aventuras, sério. Chega uma hora que a ideologia de coelho branco ditafor fica chata, uma glorificação da beleza negra pelo branco, como se só fosse bonito se branco aprovasse também fica cansativo. Cenas de sexualização da menina também são presentes nas imagens. No mais, é um livro fofo, talvez leria para as minhas crianças, mas não o compraria para a coleção.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Menina bonita do laço de fita

  1. Lembro que eu ganhei esse livro quando aprendi a ler aos quatro anos e costumava falar que era meu livro favorito, já que era raro encontrar histórias onde as personagens principais eram negras. Eu já tinha me esquecido desse livro, mas agora que eu li esse artigo eu peguei ele novamente e realmente, quando se tem um pouco mais de idade e conhecimento você enxerga esse tipo de coisa…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s